Soneto Noturno

Quando é noite eu sinto saudade
Teimo e me atrevo a escrever poesia
E na agonia que meu peito invade,
Escrevo a metade do que gostaria.

Quando é noite, eu sinto desejo
Me vem a vontade de ser toda sua
Porém essa posse que tanto almejo,
Talvez por medo, você não me possua.

Quando é noite eu penso e sonho
Na doce amizade, grata sintonia
Esqueço o desejo, busco a fantasia.

Quando é noite eu sinto a saudade...
Paro e indago se o amor que proponho
Será tão medonho como a realidade?

Autora Edna Feitosa
Direitos @utorais Reservados

Clique para Enviar essa Página 

::: Menu :::

 


ArtFinal:CrisJuan