Se tivesse a forma acertado,
De uma lenda deixar,
Contaria da amizade terna,
Do carinho puro externado,
Entre a pequena estrela matutina
E o beija-flor que espalha o amar.
É lenda de alguns anos,
Não daquelas de séculos, não...
Mas que contém tal intensidade
Que mesmo com pouca idade,
Desperta nos corações atentos,
Curiosidade e atenção.
Pois a história do inusitado,
Une dois corações separados,
Em espírito unidos a correntes,
Que o tempo não há de quebrar.

Será sempre o encanto fugaz,
De tão belo beija-flor a despertar,
Encantando a estrela por instantes,
Antes que a luz do dia, venha a cegar.
Será a meiga lembrança,
Deste afetuoso beija-flor,
Que abrandará a saudade,
Ninando os sonhos da estrela.
Enquanto ela adormece,
Ele beija as flores da caridade,
Amparando, doando-se por inteiro
À prática do bem ao próximo,
Sem esperar nada em troca,
Sem ostentação nem vaidade.

E quando exausto, adormecer,
Ainda verá um rebrilho amigo,
Agora a iluminar seu descanso,
Rogando aos céus em acalanto,
Bênçãos ao Beija-Flor querido,
O olhar da Estrela-Amiga,
Sempre amoroso e enternecido.

Nany Schneider
Dedicado à Thais S Francisco "Beija-flor"

***************************

A Rosa e o Sábia

Neste canteiro sem fim, que a vida me colocou,
Era rosa solitária, sem cor e sem vontades.
Do caule o botão nasceu e brotou,
Mas não abriu de saudades.

Saudades em um botão de rosa,
Triste rosa sem esperanças.
Pois apesar de fechada em copas,
Trazia na seiva as lembranças.

Lembranças talvez de outro jardim,
Jardim, que sei ter conhecido.
Não foi sonho, vindo de mim,
Lugar que meus sentimentos,
Ficaram sempre contidos.

Sei que o dia chegará,
Para quem tanto esperou...
Reencontrar meu sabiá,
Que o destino afastou.

NANY SCHNEIDER
Direitos Autorais reservados à Autora

Clique para Enviar essa Página 

 


ArtFinal:CrisJuan