Ouça...

Mesmo que isso te fira os tímpanos...
Ouça no grito do vento,
Ouça o grito da agonia de um coração

Mesmo longe, te sinto sempre presente
Sinto correr em meu corpo a tua presença
Sinto teu perfume entre tantos.
Ouço tua gargalhada linda em minhas noites de solidão.

E ... escuto teus passos em minha direção.
Abro os braços e te recebo.
E, me rendo aos teus carinhos, teus beijos, teus afagos
E, loucos de amor, sedentos de desejos nos entregamos
Vai amanhecendo
e você aos poucos vai despedindo-se.
Um sorriso lindo me dizendo até mais tarde meu amor,
até o próximo anoitecer.

Acordo
e no meu novo amanhecer feliz
Dobro meus joelhos e agradeço a Deus
Porque mais uma noite, você veio.

Júlia Hilsendeger
14.05.08

Ah! Se asas eu possuísse...

Alçaria vôo
Lançar-me-ia no espaço infinito
Sem rumo, sem rota.
Sem estradas, sem nada...

Voar, voar e voar.

Deixando para trás
Aquela agonia que me oprime o peito.
Olhando sempre o horizonte
Sentindo o vento no corpo,
Molhando-me na chuva para lavar a alma

E voar, voar, voar...

Quando sentir o cansaço
encontrar um jardim, nele pousar, e, ali,
Ficar descansando minhas asas,
Meus pensamentos, minha vida...

E, nesse descanso, sentir o calor de mãos,
Afagando delicadamente,
Incentivando-me a voar...
Acarinhando, sussurrando levemente.

“Vamos você consegue,
Você tem o poder das asas,
Tem todo o espaço a tua frente.
Não se prende a nada,
Basta você querer

Vá, voe me busca de teus sonhos,
Você conseguirá”.

Júlia Hilsendeger
02/05/2008

Clique para Enviar essa Página 

::: Menu :::


Formatado:CrisJuan