Plantas sorriem no vento
O vento dança no sol
O sol espelha a lua
A lua muda a estação
As estações esperam passageiros
E passageira escora o olhar
De visão que não quer ver
O que vê anuncia o Verbo
O Verbo dita o fim
Os fins justificam os meios

Os meios revelam dúvidas
A dúvida instiga o pensar
Pensar exercita inteligência
A inteligência prefere a sombra
Sombras franqueiam Luz
As luzes mostram as pedras
As pedras escrevem um caminho
O caminho é labirinto
O labirinto tem o Poder
O Poder tem pés de lodo
Lodos que saem do coração
É um coração que tem vida
É a vida que cala a morte
É a morte que rasga o véu
É o véu que arrasta um céu
Céus ornamentando a mente
Mentes buscando a dimensão
As dimensões respiram natureza
A natureza abraça a fonte
A fonte jorra deuses
Os deuses inspiram homens
Os homens criam guerras
A guerra se alimenta de aflição
As aflições reparam a sorte
Tem sorte quem se eleva na transição
A transição socorre o caos
O caos transforma o feto
O feto nada na continuação
A continuação exala o começo
O começo canta o universo
O universo ouve: "EU"
E nós eternizamos a perfeição
A perfeição caracteriza a Terra
A Terra gira num movimento
Que baila no éter
E ้teres canalizam o querer
O querer materializa o ser
O ser avisa humano
Humanos deleitam o prazer
O prazer desponta na abelha
Abelhas escorrem mel
O mel cheira a planta nova
Novas plantas sorriem no vento
Novos ventos brincam de brisas
As brisas gravitam no mar
O mar revolve a maré
A maré vasculha almas
A alma encarna o belo
A beleza acende um fogo
O fogo que é chama do novo
Novos campos , novas flores
Novos homens agradecendo ou não.
E plantas na tempestade sorriem
E pessoas choram na brisa do ser...

Fábio Thomaz

Direitos Autorais reservados ao Autor

::: ::: :::

Silêncio

É no silêncio que ouvimos nossa voz interior chamando,
aguçando a dor, a solidão, o horizonte nunca visto
ou a montanha que mostra no nada, um deserto de ansiedades .

O silêncio tem som de alma refletida no espelho.
É nele que também vemos o que nunca vimos
ou ouvimos ou sentimos ou nos faz a pergunta vinda da consciência :
o que fomos, por que estamos, por que somos, o que seremos?

O silêncio traz a paz ou a angústia, o silêncio revela realmente,
lucidamente, nossa intimidade com o bem e o mal.
O silêncio faz um grande tribunal em nós mesmos,
mostra atitudes, pensamentos, palavras,
analisa, julga e dá a sentença .

Às vezes, tenho medo do silêncio por ser meu Juiz.
E, assim como nos faz refletir, nos faz temer, meditar, sentir, calar,
e calando, faz conversar com o inferno e o céu numa competitiva balança.

O Silêncio que há, sem dúvida, é algo assim abrindo uma Porta
em nossos corações de labirintos, buscando a saída .
E só o Tempo da Vida, silenciosamente,
com Amor, tem a chave guardada no próprio Espírito .

"SILÊNCIO"

* Fábio Thomaz

Direitos @utorais Reservados
Editado com a Autorização do Autor

 

Clique para Enviar essa Página

 

 

Todos os direitos Autorais reservados ao site:www.simplesmentebeijaflor.com

ArtFinal:CrisJuan